Mesa redonda com o tema “Mulher Trans: trajetórias e demanda na luta das mulheres”

 

 

Alessandra Bagattini – Acadêmica 5º Período Jornalismo

002_g

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, os acadêmicos do 5º período do curso de Jornalismo da Celer Faculdades, realizaram mesa redonda com o tema “Mulher Trans: trajetórias e demandas na luta das mulheres”. O evento que aconteceu na quarta-feira, 8, contou com a presença de Joana Paula e Karla Muniz, que fazem parte da UNA-LGBT, (União Nacional de homossexuais).

O evento, que foi mediado pela Professora Mestre Gerliani Mender, foi aberto a todos os cursos da Celer Faculdades e teve o objetivo de proporcionar aos acadêmicos a discussão sobre temas importantes que fazem parte da sociedade.

“Esse tema da mulher transexual é polêmico, é cheio de tabus, mas também é muito atual e, eu também acho que todas as profissões vão precisar conhecer e lidar com isso, com essa novidade. Por isso a importância de debate-la em um nível acadêmico. Esse ano especialmente tem mais de trinta países envolvidos na proposta de transformar a data oito de março em feriado para reforçar a importância da luta.”, explica a Professora Mestre, Gerliani Mendes.

O coordenador do Curso de Jornalismo, Gabriel Tesser, ressalta que o papel do curso é proporcionar momentos de discussão, troca de conhecimentos e experiência sobre diversos assuntos, especialmente aqueles que pautam o nosso trabalho.

001_g
“É importante entender que a sociedade evolui, que existem escolhas para cada um de nós, para nos entendermos como indivíduos e buscarmos empatia para entendermos o próximo. A importância de entender esse tema é para quebrar preconceitos que ainda influenciam o comportamento humano em ofender ou ferir a integridade física ou mental do próximo e tentar extinguir este comportamento que transgride os princípios da dignidade humana. É importante desenvolver a empatia nos acadêmicos para tornar os mesmos mais sensíveis para entender e fazer parte da evolução social”, destaca Gabriel.

Segundo a transexual Karla Muniz, é fundamental que os acadêmicos tenham conhecimento sobre os diferentes modos de vida de cada pessoa.

004_g
“Eu já participei de outras palestras, mas para mim a receptividade é fundamental. Aqui eu não passei por nenhum tipo de constrangimento, sempre foi bem aceita, bem recebida, até porque cuidamos para não criar algo desagradável” conta.

A transexual Joana Paula, também salienta que é na faculdade que se inicia a construção da educação em relação aos gêneros, então é fundamental os espaços que são abertos para isso.

005_g

“Foi uma experiência primaria, foi meu primeiro contato com palestra. Em algumas coisas somos inexperientes, mas é bacana a recepção de todos foi fundamental. Nós fazemos o trabalho de passar a informação. Talvez a nossa geração está sendo mais difícil de educar, mas fazendo essas atividades, isso facilita e faz com que todos cresçam educados”.

Durante a realização da mesa redonda, os acadêmicos tiveram a oportunidade de tirar dúvidas além de obterem mais conhecimento sobre o assunto.
003_g
A acadêmica Andrieli Buchi ressalta que o evento foi de suma importância para sua trajetória de estudos. “Foi um momento onde nossas dúvidas foram respondidas, além é claro, de todo o conhecimento que adquirimos em relação a trajetória delas envolvendo a família, estudos e os próprios sentimentos”.

Karla comenta que ser mulher não é questão de corpo e sim de alma. “Aqui se inicia uma construção, a minha vida foi uma construção. Ser transexual, ser mulher, não é questão corpo e sim questão alma. Isso envolve a construção do corpo, para chegar ao ponto de ser feminino, é um passo a passo. Creio que o primeiro passo para isso é como você se vê no espelho. A alma feminina é muito além do corpo”, enfatiza Karla.

 
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Escort atakoy escort bayan istanbul escort beylikduzu escort istanbul escort Atakoy Escort Atakoy Escort Atakoy Escort samsun escort eskisehir escort